Ulrich: “conhecer o cliente é essencial”

Categories: Agências,Clientes,Digital,Estudo,Futuro,Ideias,Mídia,negócios,Propaganda,Redes Sociais,resultados,Varejo,web

de r” />Afinal, o que esperam e o que planejam os anunciantes do Rio? Algumas respostas estão na pesquisa encomendada pelo capítulo Rio da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) e conduzida por Herich Ulrich, sócio-diretor da Ulrich ralph lauren pas cher Pesquisa e Marketing, com profissionais de marketing de algumas das principais empresas anunciantes do mercado. Neste momento de apreensão com a situação econômica, há busca por inovação, novas soluções e principalmente parceria com as agências de publicidade. É natural que os anunciantes estejam apreensivos com a crise. Qual a maior preocupação deles no momento, em relação às suas agências de publicidade? Ulrich – Os anunciantes fluminenses, independentemente de porte ou setor da economia, estão apreensivos com 2015. T Shirt Armani Ea7 Uma grande parcela quer que suas agências sejam parceiras, pensando na relação anunciante-agência como se fosse uma casamento com bons e maus momentos. Já que agora a fase não é favorável, querem que seus publicitários movam montanhas para transpor os obstáculos. De certa forma os empresários parecem depositar na propaganda mais esperanças de soluções do que a propaganda é capaz de realizar. Inovação parece ser uma grande demanda dos anunciantes. É uma busca em 100% da amostra? Ulrich – Inovação não é uma unanimidade, mas a maioria busca sim algo novo, que reafirme a individualidade de cada marca. Na verdade, a busca de inovação não é apenas o reflexo do momento econômico, mas um desejo catapultado pelos nossos tempos, o Zeitgeist, no qual a renovação constante é o valor absoluto, a regra. Paralelamente, a internet se tornou o espaço preferencial das mudanças, até por não ser bem compreendida. Para a grande maioria das pessoas a internet ainda é uma terra obscura e desconhecida de onde surgem eventos desconcordantes, sejam as passeatas de 2013 ou um novo artista de ascensão tão rápida quanto passageira. Os investimentos em internet crescem mais que em outras mídias. Esse fenômeno ocorre entre pequenos, médios e grandes anunciantes de maneira semelhante? Ulrich – A busca é maior junto aos pequenos e médios, mas isso não quer dizer que os grandes não estejam empenhados em aumentar seus investimentos na internet. A questão posta é substituir ou complementar. Num momento difícil, os empresários menores tendem a ser mais inovadores, enquanto os grandes continuam conservadores até em função do sucesso e do gigantismo. Precisam de mais reflexão antes de mudar o que está ou estava dando certo, e o investimento nas mídias off-line não representa um gasto tão alto. Há algum otimismo no ar? Que segmentos ou perfis de clientes parecem mais otimistas? Ulrich – Não há otimismo, mas talvez a sensação de crise seja menor em setores como o alimentício e outros ligados às necessidades mais básicas. Ao mesmo tempo, o empresariado tem consciência de que crises são passageiras e buscam desde já criar as bases não só para um novo ciclo econômico, mas também para a comunicação com um mercado cada vez mais mutante. Neste contexto, o papel das mídias sociais, com suas potencialidades e limitações, ainda está longe de ser assimilado pelos empresários. Que conselho você daria para as agências de publicidade lidarem melhor com seus clientes em temos de crise? Ulrich – Mais do que nunca buscar a excelência. Demonstrar o quanto seu trabalho vale em termos de inteligência e estratégia. Além disto, este é um momento em que o conhecimento do cliente se faz essencial. Não basta apenas conhecer profundamente os produtos a serem anunciados, a concorrência e o mercado potencial. É preciso conhecer a “cultura” de cada empresa, saber ouvir os contratantes, a fim de não oferecer soluções que não serão facilmente entendidas ou aceitas. Outrossim, neste momento devemos nos focar no possível. Que aspecto mais chamou sua atenção na pesquisa? Ulrich – Mais do que qualquer outra unidade da federação, o Rio de Janeiro foi muito rápido da euforia à depressão. T Shirt Fendi De certa forma, a trajetória recente do estado é de uma quase bipolaridade. Muito do pessimismo decorre não só da evidente crise que atravessamos, mas também do desencanto com o que mais uma vez não conseguimos ser. Apesar do freio puxado, o empresário reconhece a importância da propaganda. Há um desejo latente de fazer uma travessia da mídia off-line para a online, até por uma questão de recursos. Esta relativa crise de certos canais tradicionais de comunicação, somada às crises econômica e política, deve ser combatida com a conscientização dos limites de cada meio. T Shirt Kenzo Homme Pas Cher Não é sem motivos que os grandes empresários são os mais reticentes em abandonar as formas mais tradicionais de divulgação.

Author: Claudia Penteado