Medina: “acreditamos na força das ideias”

Categories: Artplan,Bate Bola,Ideias,mercado,negócios,Propaganda,publicidade,Trabalhos

Calvin Klein Espa?a o t;”>rodolfo1A Artplan renovou sua marca, seu posicionamento, sua sede no Rio, promovendo a mudança mais profunda até hoje. Rodolfo Medina, presidente da agência, diz que a estratégia faz parte de um projeto maior: estar entre as 10 agências mais desejadas do Brasil até 2018.

Qual foi o briefing passado para a Tátil para renovar o branding da agência?
Medina
– Na verdade o projeto começou dentro de casa, em 2014. Nossos profissionais de branding, que fazem parte da área de Planejamento da agência, fizeram um ‘mergulho’ para identificar as carac Burberry Cashmere Scarf Sale ter ísticas mais fortes da nossa identidade e pensarmos, a partir daí, neste projeto de uma nova marca. Depois convidamos o Fred Gelli, da Tátil, justamente por ter uma visão mais isenta deste estudo que fizemos por aqui, para materializar uma marca que tivesse a nossa essência de inovação, parceria com o cliente e que representasse o DNA da agência. Para isso, a Tátil trouxe esse conceito de marca ‘janela’, que pode ‘vestir’ o cliente com a nossa logo e espelhar esta ideia de parceria, tanto com clientes quanto com nossos próprios profissionais, que desempenhamos tão bem por aqui.

Fale sobre o conceito de “hub de ideias” que a marca traz.
Medina
– O ‘hub de ideias’ é a essência da Artplan e representa o formato que a agência trabalha desde sempre. Ideias nascem em qualquer lugar e a propaganda é hoje apenas parte da conversa do dia a dia do consumidor. Esse hub representa o que nós acreditamos: que as ideias devem conversar. Não fazemos somente mídia tradicional. Nos importamos em oferecer uma boa ideia para o cliente, independente do formato de comunicação que entregaremos. Temos exemplos clássicos e mais antigos, como o case da Caixa na década de 80, quando numa ação do dia dos Namorados, devolvemos as alianças penhoradas aos casais, até um exemplo mais recente, como de Live TIM no ano passado, quando utilizamos o astro Chuck Norris para mostrar que a banda larga da TIM não trava, estimulando memes do ator nas redes sociais, finais alternativos e interação com o usuário, vídeos que renderam para o cliente mais de 1 milhão de visualizações.

E o conceito “ideias que abrem conversas”, como nasceu?
Medina
– Na verdade este conceito está ligado ao que disse anteriormente. Buscamos ideias e não filmes ou peças. A gente acredita na força da ideia para mover os negócios. E esta ideia pode nos levar a conversas que nos mostrem um caminho diferente do tradicional, Versace Pas Cher chegando até a produtos, por exemplo. Estamos dispostos a inovar, mas a comunicação tem que ser efetiva e sempre a serviço do business do cliente. Mas quando falamos que criamos ideias que abrem conversas é porque entendemos que a melhor forma de conquistar um consumidor é abrindo esse espaço para o diálogo. Essa conversa pode ser um filme ou um novo sistema de delivery para a Burberry Uk Outlet Domino’s, como fizemos há algum tempo atrás por exemplo, mas buscamos sempre ideias que engajem e inspirem conversas entre marcas e pessoas.

Por quantas mudanças de logomarca a Artplan já passou e de que maneira?
Medina
– Somos uma agência de 48 anos. Nascemos lá no final da década de 60, exato 1967. Tivemos algumas adaptações de marca, sempre mantendo a mesma essência, mas nunca foram mudanças muito profundas como a que temos agora. Esta é a mudança mais impactante, com contratação de uma consultoria externa pra nos auxiliar neste projeto. Mas o importante é o que essa nova mudança representa: ela faz parte de um projeto maior e ousado da agência de estarmos entre as 10 mais desejadas do Brasil, tanto para anunciantes quanto para profissionais do mercado, em 2018. O projeto já tem resultados palpáveis, como a expansão da agência em âmbito nacional, com novos clientes e mantendo o crescimento acima das previsões do mercado (atualmente a empresa é a considerada a 17ª maior agência do país e é a líder em performance entre as 20 primeiras do Ranking do Ibope Monitor, com crescimento de 57% em investimento de mídia em 2014); o reconhecimento, pelo 3º ano consecutivo, pelo prêmio Great Place to Work, como uma das melhores empresas de comunicação para se trabalhar no país; e ainda engloba a inauguração, neste mês, de um novo escritório no Rio, dentro do espaço corporativo do Casa Shopping, com 2,5 mil m2 de extensão e que abriga os 240 nossos colaboradores, para atender a esta demanda de crescimento que citei antes.

E como crescer em tempos de crise? Não está fácil…
Medina
– Temos que partir do pressuposto que a crise é para o mercado como um todo, não somente para o mercado publicitário. O ponto é enxugarmos as despesas, trabalharmos o dobro do que temos trabalhado, mas enxergarmos na crise uma oportunidade e não deixarmos de prospectar. Só em 2015 já ganhamos 3 clientes novos: Beach Park, Casa & Vídeo e Fetranspor. E ainda estendemos nossa atuação para Amanco e Niely, que já estavam dentro de casa no offline, para o ambiente digital. Temos também que focar nossos investimentos em ‘tiros certeiros’, que possam agregar valor imediato ao nosso negócio. Neste ano, por exemplo, o Grupo Artplan fez a aquisição de uma empresa de soluções mobile e User Experience, a Outra Coisa. Ela se tornou a sexta empresa do Grupo e passou a nos trazer opções de entrega para oferecermos aos clientes que não utilizávamos com tanto frequência, principalmente por termos que buscar parceiros externos para desempenhar estas funções. Agora temos esta expertise dentro do Grupo e já podemos colher os frutos desta iniciativa.

Author: Claudia Penteado